Seja bem vindo e esteja bem informado!

*** Todas as postagens e fotos deste blog podem ser reproduzidas desde que sejam atribuídas autoria e fonte, conforme Lei Federal de Direitos Autorais nº 9610 de 19 de fevereiro de 1998. Dúvidas, acesse o site da Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (Apijor): http://www.autor.org.br/ ***

as

12 outubro, 2013

Conceitos distorcidos, valores invertidos

Sociedade moderna
 




Cada dia mais as pessoas perdem sua personalidade. Para os extremos-esquerdistas e comunistas a ordem é ditadura. Ser igual é que normal. É legal. É moderno. Se tu ousares pensar e te posicionar diferente da esmagadora maioria tu és hostilizado. A moda é ser liberal, ser sociável, apoiar todas as manifestações das “minorias”. Se tu fores descolado tu és considerado inteligente. No mundo moderno, pensar é uma anomalia, se posicionar é uma afronta e ser autêntico é estar em extinção. Se for contra as cotas para negros, é racista. Se for contra a legalização da maconha é um ser limitado. Se for contra a prostituição é um preconceituoso. Se for contra a legalização do casamento homossexual é homofóbico. Se for cristão é um alienado e se te converteres ao cristianismo, sofreu lavagem cerebral.


 Ter um casamento e uma família é sinônimo de infelicidade. Aos olhos dos “descolados com alto nível intelectual” da atualidade é impossível que duas pessoas casadas sejam realmente felizes, são todos hipócritas e mentirosos. A sociedade como sempre a conhecemos agora é a escória do mundo e viver à margem dela é ter notoriedade. Para os baderneiros a ordem é um caos. Já tem concurso escolhendo a Miss Prostituta. A Constituição Federal foi abolida. E foi exterminada assim, do nada, simplesmente passaram por cima e a ignoraram. Se tu queres lutar por direitos tem que fazê-lo desrespeitando os direitos alheios. É assim que se mostra que se tem razão. Ser moderno e legal é exigir respeito participando da Marcha das Vadias em protesto aos líderes religiosos, quebrando imagens católicas na vinda do Papa ao Brasil e introduzindo crucifixos no ânus em via pública, nus, em frente às crianças e jovens. Uau! Isso é ser descolado!


 Aprovar o aborto e a descriminalização da pedofilia é demonstrar flexibilidade e superioridade intelectual. A contradição é a marca registrada das lutas por direitos iguais no Brasil de hoje. Tu exiges respeito, desrespeitando. E tu ganhas notoriedade aplaudindo e defendendo isso tudo! Que o diga Daniela Mercury! Com o brilho abafado por cantoras como Claudia Leite e Ivete Sangalo, inventou uma homossexualidade para reaparecer na mídia. Incapaz de competir com as concorrentes, dirigiu seu alvo para outro público e usa o crescente movimento GLBT para se manter na mídia, ou voltar para ela. Pessoas frustradas e com altíssimo nível de insegurança e autoestima quase nula também veem nisso uma boa oportunidade, pode se chamar atenção e angariar alguns amigos se conseguir mostrar que se é “mega-hiper-super” mente aberta!
 
 

 O genocida Chê Guevara é tido como herói. Temo que daqui uns dias a jornalista Rachel Sheherazade, famosa por seus comentários opinativos no telejornal SBT Brasil, seja presa acusada de incitar o povo brasileiro ao raciocínio. E nesses tempos modernos eu fico com o crime de ousar pensar e ter opinião própria, mesmo que desagrade a maioria.




14 setembro, 2013

Me arrependi, e agora?

Escolhas erradas


A vida é incrível. Não adianta saber antecipadamente o que vai acontecer e querer alertar as pessoas para que não se machuquem ou não cometam o erro, pois parece que é necessário que elas passem por aquilo para constatar que temos razão. Em outras palavras, por mais que tentemos evitar o tombo, parece que é só depois de cair que as pessoas entendem que ali tinha um buraco! 

  Se é ruim quando a decisão errada de outras pessoas interfere diretamente nas nossas vidas, pior mesmo é quando só depois de fazer a “cacaca” e já é tarde demais, que elas se dão conta da porcaria que fizeram e nos confessam isso com o rabo entre as pernas. Se por um lado é bom vê-las se arrependendo e temos vontade de dizer “bem feito”, e melhor ainda tendo que admitir que tínhamos razão (“eu avisei”), o que importa isso depois que não dá mais para voltar atrás e o estrago foi grande?! Dá vontade de dar uns tapas beeem dados, confesso! Vai dizer que você não sente o mesmo?!

 Deus está no controle de tudo e estar no controle não significa que Ele concorde com tudo, afinal, temos o livre-arbítrio. É um equívoco acreditar que tudo que acontece foi porque Deus quis. Um exemplo é quando um político é eleito e alguns dizem: “Deus é justo!” - sim, Ele é, e por isso mesmo nos deu a liberdade de escolher aquilo que tanto queremos, e com a mesma justiça não nos livrará de colher os frutos dessa nossa escolha, pois o fato de alguém vencer uma disputa, não significa que ele seja o melhor. Existem duas vontades de Deus: a diretiva e a permissiva. A diretiva é quando a gente se importa com o que Deus quer, o que Deus pensa a respeito, o que é correto aos Seus olhos e está de acordo com Seus princípios, então paramos para pensar o que Ele faria, que atitude O agradaria e o que Ele reprovaria e assim agimos de acordo com Sua direção. Já a vontade permissiva é quando fazemos aquilo que queremos a despeito da opinião de Deus. Claro que Ele sempre nos dá alternativa, manda até mesmo outras pessoas nos alertar, mas como insistimos em fazer o que bem entendemos, Ele permite que aquilo aconteça. E isso não significa que era da vontade de Deus, mas que Ele preza pelo nosso livre-arbítrio, porque é justo. É como se Ele pensasse: “Ok, filhos, quero muito que vocês façam isso porque sei o que é melhor, mas como insistem tanto naquilo, façam o que bem entendem e aguentem as consequências depois”.

 E ainda há outro porém: para o plano de Deus se cumprir neste mundo, quer você queira, quer não, quer acredite ou não (afinal Ele não mudará por causa da opinião de ninguém) as coisas ficarão cada vez piores. Não é falta de otimismo, não é visão distorcida, está escrito! E é o que estamos vendo. Cada vez mais se fala em esperança, cada vez mais se fala em paz, em bondade, em união, mas as coisas estão piores a cada dia que passa. Políticos corruptos sendo eleitos no lugar de bons políticos, pessoas honestas sendo massacradas por pessoas sem caráter e sem escrúpulos, a qualidade de tudo decaindo e os homens cada vez mais em guerra.

  Então quer dizer que não precisamos mais lutar pelas coisas corretas já que tudo tende a piorar? Não! Jamais! Não podemos abrir mão dos nossos princípios e ideologias, e continuar não é remar contra a maré. Devemos seguir em frente, sempre fazendo a nossa parte conforme o que é certo, honesto e justo. Seguidamente encontro alguém arrependido com muitas coisas, coisas contra as quais lutei, contra as quais alertei, mas não fui ouvida. Muitas dessas escolhas erradas das pessoas que me cercam influenciam de alguma forma na minha vida, em alguns casos tenho vontade de dizer “bem feito”, em outros, “eu avisei” e em outros me dá até pena, mas sigo em frente com a certeza de que mesmo que sejamos vítimas das escolhas erradas de outras pessoas, se seguirmos o caminho do bem, tudo de ruim poderá acontecer ao nosso redor, mas nada nos atingirá. Nem o arrependimento.



07 setembro, 2013

Criando seus monstros

Traumas, psicoses e outras drogas

A gente nem imagina, mas às vezes um simples, pequeno e despretensioso ato pode levar alguém a nos perseguir a vida toda. Quem já assistiu ao filme Homem de Ferro 3, sabe que neste terceiro filme os maiores inimigos de Tony Stark são um colega cientista, a quem Stark frustrou um desejo e uma ex-namorada ressentida por não ter sido correspondida em seu amor.

Isso, infelizmente, não é privilégio dos filmes, acontece na vida real, são manchetes em noticiários. Nunca imaginamos que possa acontecer com a gente. Mas acontece. Muitas vezes nem suspeitamos que um amor não correspondido possa criar um inimigo, afinal que culpa temos se não mandamos em nosso coração? A pessoa cria uma expectativa que você não alimenta, faz planos que você não partilha e quando descobre que você não corresponde, não namora mais ninguém, não se casa, envelhece sendo uma pessoa amarga porque você não a amou e te culpa eternamente por isso. Você seguiu sua vida, namorou, casou, constituiu família, é feliz e nem imagina que aquela pessoa dedica a vida dela a você, a te destruir, a te atacar, a atacar tudo aquilo que você acredita, aquilo que você é e até sua profissão, tudo por ódio. Ué, mas não era amor? Pois é, a linha que separa esses dois sentimentos é muito tênue.
 
 

 Mas nem só de amores não correspondidos se criam perseguidores frustrados. Às vezes você nem imagina que um ato inocente, um fato sem importância, pode gerar um inimigo. Muitas vezes o que você disse ou fez inocentemente, pode até despertar um trauma de infância que você nem sonhava que a pessoa tinha. Aí ela passa a vida te imitando para provar (para si mesmo) que é melhor que você, como faz o inimigo de Tony Stark nesse terceiro filme. Ou a pessoa passa a vida te afrontando, só esperando você se manifestar para poder “dar o bote”, com uma sede insaciável de fazer você “pagar” por algo que ela acredita que sofreu por sua causa, mas que na realidade se gerou dentro dela, foi alimentado por ela e só faz mal para ela mesma.

 Passando por uma situação dessas frequentemente, resolvi ler o livro Mentes Perigosas, de Ana Beatriz Barbosa Silva, e buscar informações que me ajudassem a entender o motivo de tantos ataques gratuitos de uma só pessoa e aí, vasculhando nos arquivos do passado, percebi que uma simples decisão em grupo sobre um trabalho escolar foi o estopim para tudo. Vai saber se a pessoa já não tinha um problema de insegurança, um trauma de infância, um distúrbio de personalidade, falta de autoestima e que acabou se agravando por uma coisa banal da qual eu nem fazia ideia.

 Depois de ler e pesquisar sobre o assunto, descobri que nesses casos a pessoa bloqueia o que lhe causou o trauma e quando você a questiona sobre o porquê age de determinada maneira com você, ela tenta inverter os papéis e as histórias, numa tentativa desesperada de fazer com que você pareça o perseguidor e ela, a vítima. A psicologia explica que essas pessoas acreditam que lembrar duas vezes é reviver o trauma e sofrer em dobro, quando na verdade enfrentar com coragem seus medos é o que os libertaria. O pior é quando o caso é tão crônico que nem a psicologia consegue tratar.
 
 

 Geralmente essas pessoas levam uma vida de aparências e uma vida solitária. Elas têm um lindo discurso, mas não vivem o que pregam. São os primeiros a falar em amizade, por exemplo, defendem que redes sociais são para se estabelecer bons relacionamentos, mas são os primeiros a “atacar” e provocar uma situação desagradável e desnecessária, mesmo quando o assunto “não é com eles”, e não pensam duas vezes antes de fazer intrigas usando seus próprios amigos, com quem conviveu por anos. É que essas pessoas são incapazes de nutrir bons sentimentos e se colocar no lugar do outro. Passam a vida frustrados sem terem nada do que almejaram ter um dia e acabam não percebendo que não têm nada exatamente por isso, são solteirões amargos ou se prestam ao papel de amantes, pois é assim que se sentem, em segundo plano, mas raramente constituem família, porque ninguém fica muito tempo ao lado de uma pessoa cheia de paranoias, nem valoriza quem não tem amor por si e pelos outros.

 Infelizmente não podemos voltar ao passado para mudar histórias, por isso, cuidado com suas palavras, mesmo as mais inocentes e cuidado com as pessoas com as quais você se relaciona. O livro que citei acima é uma boa dica para você identificar possíveis monstros criados ou ainda em formação, pois o bicho-papão, a bruxa malvada e o capeta, só são “bonzinhos” no comercial da RBS TV.

10 agosto, 2013

Eu tenho um herói, e você?



Enquanto somos crianças eles são nossos super-heróis. Depois a rebeldia temporária da adolescência nos traz a ilusão de que sabemos mais do que eles, e só na fase adulta, ou melhor, quando nos tornamos “eles” é que percebemos isso. É quando nossos filhos cometem o mesmo equívoco, que entendemos que petulância foi a nossa de crer que sabíamos mais que nossos pais, que tínhamos mais experiência e conhecimento de vida do que eles, e aí entendemos que eles nunca deixaram de ser nossos heróis, principalmente por terem aturado as piores fases de nossas vidas. 

  Bom, eu pelo menos posso falar isso, não sei você! Infelizmente vejo muitos jovens por aí que se resolverem seguir o caminho dos pais se tornarão corruptos, mentirosos, bandidos, pessoas sem caráter, sem índole, sem moral, sem princípios, sem escrúpulos. Heróis, só se forem do inferno e mesmo assim será uma competição estreita com o capeta. Eu posso falar de boca cheia que meu pai é um herói!!! Um homem trabalhador, batalhador, com uma história de vida que muito me orgulha! Com ele aprendi, e aprendo a cada dia, a importância da honestidade, do trabalho, da humildade. Através da vida do meu pai, dos seus exemplos muito mais do que de suas palavras, entendi a importância de se ter caráter e princípios. E de todas as coisas que um pai pode deixar para seus filhos e netos, nada vale mais que esses valores que nos fazem “seres humanos” e não animais disfarçados de gente por trás de bens materiais e ostentações aquisitivas.

 Meu pai nunca pode me dar asas, mas me ensinou como voar. Não pode me dar o mundo, mas me ensinou como fazer parte dele da melhor forma possível. Meu pai, meu herói, minha vida! Neste domingo, quando comemoramos o Dia dos Pais, feliz daquele filho que pode fazer das minhas, suas palavras. Nas ruas vejo playboys, filhinhos de papai que nunca precisaram estudar nem trabalhar, ganharam tudo “de mão beijada” de seus pais, e muitas vezes por meios bem duvidosos, que ostentam sua imbecilidade e futilidade no som de baixo nível que tocam em alto volume nos seus “carrões irados”, rodando para lá e para cá sem ter muito mais a fazer. A maioria deles não pode escrever publicamente sobre o “caráter” de seus genitores, sob pena de colocá-los em “maus lençóis!”. Por trás de sua aparente vida feliz, devem sentir um enorme vazio existencial pela falta de heróis de carne e osso!

  Feliz daquele filho que percebe que faltam dedos nas mãos para contar as qualidades de seus pais e a quantidade de exemplos e valores que aprenderam com eles. Eu louvo a Deus pela graça que Ele me concedeu de ter o pai o que tenho, o melhor pai do mundo!!! Tá, eu sei que você acha que o seu é que é, mas eu discordo! (risos)
 

 Enfim, nesse Dia dos Pais quero parabenizar, não todos os pais dessa cidade, mas os PAIS, com letras maiúsculas que se enquadram nesse texto, aqueles que ensinaram seus filhos que a melhor herança é o exemplo, o bom exemplo que nos faz melhores e mais humanos a cada dia, aquele exemplo que podemos contar aos quatro ventos e até escrever em um jornal para todo mundo ler! Parabéns a esses pais! Parabéns ao meu pai, Wilson, por ser o MEU MELHOR PAI DO MUNDO!!!!!! EU TE AMO PAI!!!! OBRIGADA POR TUDO!



20 julho, 2013

O mau atendimento aos cidadãos


Seguidamente ouço alguém reclamar de mau atendimento nas repartições públicas. Em Triunfo, liderando as reclamações, está o atendimento no Postão de Saúde. Recentemente ouvi e li relatos de pessoas que teriam sido destratadas, humilhadas, ignoradas e até mesmo lesadas no atendimento. Em um dos relatos, uma senhora afirmou que embora tivesse uma das primeiras fichas, foi uma das últimas a ser atendida porque uma funcionária teria passado muitas pessoas em sua frente, privilegiando as que seriam suas amigas ou teriam sido suas colegas de campanha política. Também ouvi relatos de cidadãos que disseram que foram atendidos com total falta de educação e falta de respeito por funcionários que, sejam estatutários ou temporários como os cargos em comissão, perdem a noção de que são empregados do povo e se acham donos das repartições públicas. Aliás, esses funcionários devem ter algum problema de entendimento quanto ao significado das palavras “público” e “servidor”. 

 Em Triunfo é comum alguns funcionários surtarem e acharem que a preferência partidária, que a livre escolha de voto dos cidadãos influencia nos seus direitos e na obrigação do Poder Público. Isso geralmente acontece com os cargos em comissão, que caem de paraquedas nas repartições após uma eleição e acham que daquele momento em diante trabalham apenas para os mesmos colegas de partido. Não é raro nem impossível que um cidadão seja “perseguido”, “marcado”, “discriminado” pela sua bandeira partidária, como uma espécie de “castigo” por não ter apoiado o político vencedor. Ah, se é comigo... Óbvio que nem todos os funcionários agem dessa maneira, estamos falando aqui somente dos imbecis.

 É comum encontrarmos um cartaz nas repartições com o seguinte aviso: “Art. 331 - Desacatar funcionário público no exercício da função ou em razão dela. Pena – detenção de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos ou multa” e sempre me perguntei por que não estampam cartazes com o artigo 129 da Lei Municipal nº 779, de 11 de março de 1992, que diz que “é dever do servidor tratar com urbanidade as pessoas”. Pois é, servidor público tem deveres e um deles é tratar muito bem quem paga seus salários, ou seja, o povo!

 O servidor está a serviço da Administração Pública e esta deverá ser regida pelos princípios da moralidade, impessoalidade, legalidade e eficiência. O que poucos sabem é que o servidor também pode ser responsabilizado judicialmente pelos danos que causar ao contribuinte e a Administração Pública tem direito de regresso contra o servidor, conforme o que diz o artigo 37, inciso 6º da Constituição Federal: “As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa”. Ou seja, o cidadão pode processar tanto o servidor quanto a Administração Pública e no último caso, a Administração pode cobrar do servidor o que teve que pagar à vítima a título de indenização. Vale ressaltar que a responsabilidade do poder público para com o cidadão é objetiva, ou seja, dispensa a prova de culpa. Já a responsabilidade do funcionário público para com o poder público é subjetiva, para que tenha seu direito de regresso assegurado o poder público deverá provar que o servidor agiu com culpa. Portanto se tiver que processar alguém, processe o poder público, pois apesar de demorar mais, é mais fácil sem ter que comprovar a culpa do servidor. Deixe esta terrível tarefa para o poder público, ele que comece a supervisionar melhor a atuação dos funcionários.

 Claro que nem sempre os superiores diretos e indiretos desses funcionários que não respeitam os cidadãos sabem o que está ocorrendo. Portanto, quando for mal tratado ou prejudicado por um servidor que não cumpriu com seus deveres, leve o caso imediatamente ao seu superior, no caso dos municípios, aos secretários municipais responsáveis pela secretaria em questão ou diretamente ao prefeito. Se depois disso nada mudar, processe mesmo!

 Cabe à administração pública supervisionar e orientar melhor os servidores, lembrando-os que sempre se trata bem o patrão, ou seja, o povo e cabe ao povo não baixar a cabeça, exigir o tratamento que lhe é devido e tomar as providências cabíveis quando for prejudicado, afinal, não está pedindo nenhum favor, está pagando bem caro por cada serviço.

 Como diz uma frase que li navegando pela internet, “se a Administração fosse realmente gerida como os empresários normalmente administram suas empresas privadas, a maioria destes "servidores" já teria levado pé na bunda por falta de produtividade/eficiência”.



29 junho, 2013

Personagens de novela


Esses dias uma amiga me relatou que seu marido estava sendo perseguido profissionalmente por uma pessoa em consequência de divergências político-partidárias. Ela me perguntou: “por que será Tati, que uma pessoa como essa se importa com gente simples como a gente, que só quer trabalhar e tocar a vida?”.
 
 

 Quem de nós não conhece pessoas capazes de coisas que até o diabo duvida? Tem muita gente por aí que por dinheiro, poder e status, mata a mãe e ganha o Oscar de melhor ator no velório. Muitos de nós, com certeza, conhecemos pessoas capazes das mais absurdas atrocidades ou, no mínimo, já lemos nos jornais as mais macabras armações: pessoas que chegam ao ponto de provocar um incêndio no próprio apartamento para conseguir o dinheiro do seguro, ou atenta contra a vida do próprio cônjuge para ficar com a herança.

 Do mais baixo escalão da sociedade surgem as moças pobres, pobres de capacidade e amor próprio, que vivem de dar golpes em políticos influentes ou homens casados com bons recursos, algumas chegam ao ponto de se sujeitarem a casar com os mais repugnantes seres apenas por interesse. Elas abrem mão de olhar para o lado e admirar um homem pelo que é, devem brincar de baile de máscaras toda noite para não terem que ver a cara do sujeito com quem precisam dormir para ser o que acham que jamais teriam capacidade de ser honestamente.

 Eu não sei o que sentem essas pessoas, mas lá no fundo de suas almas com certeza há um vazio, um vazio infinitamente profundo, escondido por baixo de toda pose que ostentam. Em novelas é comum aparecerem personagens com essas características, vivendo essas circunstâncias, e geralmente são pessoas que passaram por muito sofrimento na infância, tiveram uma vida desgraçada e cresceram com conceitos distorcidos e ausência de princípios. Quem não se lembra da Carminha da novela Avenida Brasil? Quantas “Carminhas” você conhece por aí, que saem do lixão e precisam vender o corpo e a alma para serem notadas? Pessoas como a Carminha sofrem de transtorno de personalidade amoral, ou antissocial, ou inafetivo, que os psiquiatras definem como “psicopata aproveitador com personalidade predatória”, o tipo de pessoa que simplesmente não consegue se colocar no lugar do outro e por isso mesmo, consegue cometer os mais terríveis atos para satisfazer seus interesses fúteis. E quem não conhece pessoas como o Max, para as quais faltou tanto amor que elas não são capazes de amar nem a si mesmas, não conseguindo passar um valor moral nem para os próprios filhos?
 

 Essas pessoas não sabem o que é ter uma família feliz, ter amor verdadeiro e incondicional, ter paz de espírito, ter amigos em quem confiar, não sabem o que é ter o prazer de conquistar o que se quer usando o intelecto, o trabalho e a honestidade. E por que, como perguntou minha amiga, essas pessoas se importam com gente simples que não tem poder, nem dinheiro, nem influência? Eu responderei à minha amiga, que com certeza estará lendo essa coluna: elas se importam com pessoas como a gente porque temos as únicas coisas que o maior golpe do século e o maior dinheiro do mundo jamais conseguirão comprar: um caráter incorruptível. Tudo que o dinheiro não compra é assustador para quem não tem o dom de possuir. “Carminhas” vêm do lixão, e como a novela imita a vida, é para lá que elas sempre voltam, mais cedo ou mais tarde. Não é o que pessoas com princípios desejam, assim é a lei divina: “podemos escolher o que plantar, mas seremos obrigados a colher o que semeamos”.



15 junho, 2013

Muito câncer para poucos habitantes



Esses dias eu estava conversando com meu marido e ele despertou minha atenção para algo muito sério. Ele me perguntou se eu já havia parado para pensar na quantidade de gente que está com câncer aqui em Triunfo. De repente percebi que a cada semana que passava eu citava a ele pelo menos uma pessoa a mais que havia descoberto a doença.

Se pararmos para observar veremos que conhecemos muitas pessoas, muitas mesmo, de ambos os sexos, de todas as idades, adultos, idosos, jovens e crianças, que estão enfrentando os mais variados tipos de câncer aqui em nosso município. Algumas dessas pessoas sem nenhum histórico familiar que justifique o aparecimento do infeliz. Não sou expert no assunto, não domino dados, não tenho nenhum documento que comprove as minhas reflexões, hipóteses e especulações. O que tenho são conhecidos, amigos, familiares que enfrentaram ou estão enfrentando algum tipo dessa doença. Em minha opinião é alto demais o número de pessoas com câncer em Triunfo, considerando o número de habitantes do nosso município. Relacionei as pessoas que conheço, e principalmente as que conheço muito bem, e comecei a tentar entender a causa do aparecimento do câncer em suas vidas, principalmente quando se trata de uma criança de poucos anos de vida e até então gozando de plena saúde, sem fumar, sem beber, sem histórico familiar, sem uma justificativa plausível.

Meu marido, nascido e criado em Porto Alegre, morador de Triunfo há três anos, portanto sem conhecer muitas coisas daqui, me perguntou se não haveria a possibilidade de o grande número de pessoas com câncer ter alguma relação com a proximidade do Polo Petroquímico. Eu não sei. Como saber? Mas com certeza muitas pessoas têm a mesma dúvida. Eu até pensei se contaria isso aqui, porque sempre há aqueles mal intencionados que saem correndo para os grupos do Facebook dizer “Viram que absurdo? A jornalista está acusando o Pólo!”. Não, eu não estou fazendo isso, estou relatando um fato e expondo minha opinião, e em minha opinião pode sim ter alguma relação, mas como saber? Se tiver, jamais admitirão isso. E o que fazer? Mandar o Pólo embora? Óbvio que não.
 

 Comecei então, há quase um mês, minha investigação sobre o câncer em Triunfo, mas infelizmente não há base de dados, nem no Município, nem no Estado que possa me apresentar informações concretas. O que encontrei foi uma notícia da Zero Hora, de 08 de abril deste ano, fazendo uma comparação entre o Rio Grande do Sul e São Paulo. São Paulo, com mais de 41 milhões de habitantes, é líder nacional para as ocorrências de câncer no país. Segundo o veículo, o volume de casos da doença, estimado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), aponta tendência de alta quando considerada a proporcionalidade populacional entre os dois estados, salientando que o RS tem uma população bem menor, com aproximadamente 10,7 milhões de pessoas. Não me espantaria se descobrisse que em uma comparação entre Triunfo e Porto Alegre, onde o número de habitantes também é bastante diferente, se apresentasse uma situação semelhante.






Também encontrei uma reportagem da Revista Marie Claire, de julho de 2012, sobre o caso do creosoto derramado no solo do Barreto. Em entrevista à revista, o então diretor presidente da Fepam, Carlos Fernando Niedersberg, afirmou que Triunfo tinha o solo mais contaminado do estado e que havia contaminação também no lençol freático, mas nada tão grave quanto à do solo. Sim, Niedersberg, o mesmo que foi preso pela Polícia Federal por pagamento de propina a agentes públicos visando à facilitação na obtenção de licenças ambientais em benefício de empresários. Pois é, como saber se o caso do Barreto não era mais grave ainda do que relatado? Além disso, com as enchentes, a água do rio Taquari subia até tocar o solo e depois corria em direção ao Jacuí onde está a estação de tratamento da Corsan, que abastece toda a cidade. Conforme a revista, a advogada Gisele Milk movia na época mais de cem ações, cada uma representando uma família diferente, vítimas da contaminação.

 Se pelo ar, pela água ou por qualquer outro fator eu desconheço, mas o número de pessoas com câncer em Triunfo tem chamado minha atenção e me deixado preocupada, pois em uma cidade onde eu conheço todo mundo, quase todo mundo que conheço tem câncer ou conhece alguém que tem. Continuarei em busca de dados concretos sobre essa questão que merece atenção de toda a população e das autoridades competentes o mais rápido possível. É preciso que haja uma mobilização, um verdadeiro interesse a respeito, é preciso que as autoridades competentes voltem seu olhar para esse assunto, procurem suas causas e providenciem uma maneira de evitar maiores consequências. Sei que Triunfo oferece toda a assistência nessa área, mas todos sabemos que a prevenção é o caminho, não o tratamento.




08 junho, 2013

Depende da conveniência

Uma análise sobre a política no município de Triunfo/RS.

 
 

A conveniência é uma coisa que me revolta. Ela não concorda com a verdade, muito menos é companheira da sinceridade. Ela visa interesses, os mais diversos interesses. A graça, mesmo que revoltante da conveniência, é que mais cedo ou mais tarde ela revela a hipocrisia. Os discursos mudam de um dia para o outro e ações cessam de repente. No nosso dia a dia temos os mais diversos exemplos, nas mais variadas situações e em todas as áreas.

Até bem pouco tempo grupos organizados de pessoas circulavam diariamente a cidade com câmeras fotográficas em uma caça desesperada às ruas e praças repletas de lixos. Eles enchiam as redes sociais e os e-mails dos veículos de imprensa com fotos denunciando o descaso da administração pública e protestando como verdadeiros cidadãos, exigindo a atuação diária e impecável do poder público. Afinal a coisa mais fácil que tinha era recolher um lixo da rua, bastava competência e boa vontade.

Lembrei-me deles há duas semanas, quando levei minha labradora para passear na Praça da Concha e resolvi voltar com ela para casa. Não tinha como ela brincar no meio daquela imundície composta por milhares de tocos de cigarro, papéis, latas e garrafas pet espalhadas. Pago caro o banho na pet shop, não posso jogar dinheiro fora. Se não era um ambiente adequado para o lazer de um cão, imaginem para pessoas, principalmente crianças. Foi aí que me dei conta do sumiço repentino dos justiceiros de plantão da limpeza pública. Fiquei até preocupada, o que será que houve com eles?


 Também até bem pouco tempo riam-se quando alguém falava na queda da arrecadação municipal. “Desculpa esfarrapada!”, alguns diziam, enquanto outros protestavam: “piada dizer que Triunfo não tem dinheiro!”. A CPI que investigou a queda da arrecadação era motivo de deboche. Hoje até me assustei quando os vi “esfarrapando” a mesma “desculpa”. Conveniente, não?! E o tempo? Antes era mais que suficiente, era uma questão de “competência” e “vontade de fazer”, agora é escasso... Tenho que me rir!!! Antes era “são uns incompetentes, isso se faz em dias, é só querer”, hoje o discurso é “só faz dois meses, é necessário dar tempo ao tempo”. Tá, mas é incompetência também ou descaso como antes? Não! É conveniente... Ah, bom!

Até poucos meses nas redes sociais também jorravam acusações à administração municipal com relação ao atendimento do hospital. O prefeito era o culpado! Todo incidente que ocorresse lá era culpa integral da prefeitura. Hoje se alguém falar um “ai” sobre isso é um injusto que não entende que tudo depende de tempo, de muito tempo e ainda por cima está reclamando de “barriga cheia”, afinal, Triunfo, que até bem poucos meses era uma “vergonha”, hoje é a “cidade maravilhosa”. Embora nada tenha mudado até agora.

Antes, reivindicações era um exercício de cidadania e uma luta heroica por direitos tolhidos pelos vilões da politicagem! Todos eram convidados a fazer o mesmo em prol da democracia e do bem comum. Hoje se alguém faz as mesmas reivindicações de alguns meses atrás, seja de remédios e médicos no postão ou de limpeza nas ruas o nome dado é “choradeira de mágoas”. Antes o fato de alguém ter que trabalhar fora do município era injustiça, falta de valorização e de oportunidade. Hoje é “bem feito”, afinal essa gente só sabe reclamar, vão à luta!!!

 

 De repente tudo virou uma maravilha, não se veem mais protestos, não há mais injustiças. Os grupos nas redes sociais hoje só não estão às moscas porque são abastecidos com propagandas e divulgação de negócios. Onde será que andam todos os guerreiros implacáveis da diferença? Será que se mudaram? Será que de repente perderam a visão? Pode ser que tenham sido abduzidos para o país das maravilhas... Ou, como me disse um amigo, realizaram o sonho, "viraram terneiros"!




18 maio, 2013

A diferença entre ser líder e ser tirano



Se quiseres conhecer um homem dê poder a ele, já dizia Maquiavel. Na disputa pelo poder todos prometem fazer a diferença, mas é só de posse do poder que um governante demonstra a que realmente veio. Suas atitudes para com os cidadãos, todos eles, é que demonstram se um governante eleito, democraticamente, sabe o que significa essa palavra. O uso que ele faz do poder (lhe conferido por tempo determinado, diga-se de passagem) revela se ele é um líder ou um tirano.
 
 


 Assim como existem falsos profetas, o mundo está cheio de salvadores da pátria made in Paraguay, que não passam no teste de qualidade quando alguns requisitos, que eram apenas adornos de campanha lhe são exigidos na prática. Quando há muito dinheiro em jogo é comum tiranos gritarem por igualdade na disputa pelo poder, mas de posse dele, imediatamente fazem a diferença no tratamento dos cidadãos que democraticamente não lhe conferiram um voto nas urnas, por temerem que sejam uma ameaça ao pleno exercício de sua tirania. Já vi esse filme. Acabou mal. Para o tirano, claro.
 
 

  Para quem ainda não sabe, um governante público, seja ele presidente, governador, vereador ou prefeito, não é patrão do povo, é empregado, e de todo o povo, mesmo daqueles que não votaram nele, porque impostos não têm bandeiras partidárias. Um cidadão tem o direito de escolher em quem votar (não é isso que os candidatos geralmente dizem defender antes das eleições?), sem serem perseguidos depois por sua escolha. Isso é democracia. A menos, claro, quando o discurso era apenas ilusório para enganar bobo. Hipocrisia. Ela não se aguenta.

 Um governante que usa sua condição temporária de poder para humilhar, denegrir, perseguir e fazer diferença entre aqueles que o elegeram e aqueles que escolheram democraticamente votar em outro candidato, não ficará muito tempo na posição que ocupa, pois a forma com que trata as pessoas, os cidadãos para quem tem a obrigação de governar com igualdade e respeito, além de demonstrar sua mesquinhez e total falta de valores morais como educação, independente do grau de instrução que tenha, demonstra seu real interesse na posição a que concorreu e mais dia, menos dia, a justiça dos homens, e de Deus, se faz. Eu já vi alguns tiranos sendo despojados do poder. Felizmente não há mal que sempre dure.

 Passada uma eleição, um verdadeiro líder terá consciência de sua condição e trabalhará como um excelente empregado visando o crescimento geral, esquecendo-se de nomes e siglas, olhando a todos apenas pelo codinome de “cidadãos”. Eu disse “um verdadeiro líder”. Já um verdadeiro tirano não perderá tempo em contradizer na prática o próprio discurso. Geralmente é o que chamamos de hipocrisia, moral de cuecas, essas coisas...
 

 Não há elástico forte o suficiente que segure uma máscara por muito tempo. Não há mentira que se sustente em tempo integral! Portanto, se você ocupa algum cargo público para o qual foi eleito através do voto, tenha consciência disso, respeite seu patrão, seu poder é temporário, o patrão o toma de volta a cada quatro anos. Se você é secretário, ministro ou cargo em confiança, tenha mais cuidado ainda, pois não foi nem a vontade do patrão que o colocou no lugar onde está, e se quem é eleito democraticamente por um estado de direito tem obrigações para com um povo, imagine quem é nomeado para algum cargo sem o aval dele. Governantes não são estrelas e devem respeito, consideração e decência para com todos os cidadãos. Aliás, isso deveria ser regra na vida de todo ser humano.

 Se você é um cidadão, exija respeito dos governantes que receberam uma licença para lhe servir por determinado período. Eles devem lhe servir com competência, decência, excelência, categoria, educação, sensatez e respeito. E isso não é uma escolha, é uma obrigação.

 A posse do poder é uma grande oportunidade para alguém se tornar um grande líder. Infelizmente não são poucos os que optam por ser apena mais um tirano imbecil. Nesse último caso, porém, a boa notícia é que o empregado não precisa cumprir o tempo de serviço, podendo ser demitido antes do prazo pré-determinado, basta o patrão o demitir na forma da lei.



11 maio, 2013

O maior amor de mãe é o exemplo!

Como não poderia deixar de ser, usarei este espaço para falar do assunto em pauta neste final de semana: as mães. Nesta época geralmente todos destacam o que é ser mãe. Pois bem, resolvi falar aqui sobre o que não é ser mãe e sobre o que uma mãe que ama realmente seu filho não faz!
 
 

Vejo ultimamente muitos valores distorcidos e muitos conceitos equivocados: mães que acham o máximo vestir suas filhas de quatro, cinco anos como se tivessem 18; mães que ensinam o filho a ser “pegador” e chamar as mulheres de “gostosas” desde seis anos de idade; mães que acham que professor tem que fazer na escola o que elas não fazem em casa; mães que acham que amar é encobrir atos reprováveis de seus filhos; mães que ensinam aos filhos o preço das coisas, em detrimento do seu valor. Para mim, a julgar pela mãe que tenho e pela mãe que tenho certeza que sou, a maior prova de amor que uma mãe pode dar a um filho é ensiná-lo o valor do caráter e da dignidade. 

 Resolvi escrever isso por ter presenciado nesta semana que passou alguns fatos deprimentes e deploráveis onde vi uma mãe, talvez até sem perceber ou se dar conta, agindo com hipocrisia, falsidade e desonestidade na frente de suas filhas adolescentes. Aparentemente o fato era corriqueiro, fazia parte do “contexto”, mas o fato de ver as filhas ali, assistindo ao que estava se passando, me chamou a atenção para nossas ações como mães. Que valores estamos passando para nossos filhos? Você já contou uma “mentirinha” conveniente perto do seu filho, achando que aquilo era um fato insignificante? Pois acredite, você ensinou seu filho a se tornar um mentiroso, ensinou a ele que usar a mentira como meio para justificar um fim é algo legal. O problema é que no futuro você não sabe que mentira seu filho contará para justificar que fim. No exercício de suas atribuições, se valer da hipocrisia em prol da ganância e do lucro a qualquer custo é algo que “faz parte do negócio”? Pois você está ensinando ao seu filho que não ter escrúpulos é normal, o problema é que no futuro você não sabe que ações serão realizadas por ele em prol da ganância, e você é uma vítima em potencial, afinal está ensinando ao seu filho que vale tudo em cima de todos por dinheiro. Talvez seu fim seja sozinho em um asilo, principalmente se tiver deixado um bom patrimônio.

Vendo aquela mãe agindo com ardilosidade, com desonestidade, com “armações” dignas de uma pilantra sem escrúpulos na frente de suas filhas, me fez questionar o verdadeiro amor de mãe. Muitas mães acham que demonstram seu amor aos filhos dando-lhes tudo que pedem, deixando-os ir onde querem em qualquer horário da noite, não deixando faltar nem um bem material ou lhes fornecendo luxo material e tecnológico em excesso. O verdadeiro amor de mãe é aquele que ensina que princípios não são negociáveis, que honestidade é algo de valor inestimável, que a humildade é a maior das qualidades e principalmente que o caráter é incorruptível. Mãe é aquele que ensina a não fazer para o outro o que não se deseja para si e que não importa o nível de maldade com o qual algumas pessoas te tratem, você é moralmente superior para se igualar a elas. Mãe é aquela que ensina que nem sempre se pode ter tudo, é aquela que abdica de muitas coisas para proporcioná-las ao seus filhos, e acima de tudo é aquela que vigia todas as suas atitudes e revê todos os seus conceitos para não dar mau exemplo aos seus filhos.

  Sendo assim, só tenho a agradecer a Deus pela mãe maravilhosa que Ele me deu, uma mãe que realmente ama seus filhos e netos, uma mãe que sempre me ensinou valores incorruptíveis e inegociáveis. Homenageando minha mãe, a dona Juraci, homenageio não a todas as mães, mas às mães de verdade que sempre souberam que o maior amor é o exemplo, pois o verdadeiro amor de mãe é uma amostra do amor de Deus para conosco e o amor de Deus por nós é perfeito!

 "Mãe, parabéns pelo teu dia! Que Deus te abençoe e proteja sempre! Te amo!"




PERFIS FALSOS NO ORKUT ACABAM EM CADEIA!